Sistema de Gestão Integrado

Entenda qual o melhor sistema de gestão para sua empresa

Encontre a solução ideal para o seu negócio

Entenda qual o melhor sistema de gestão para sua empresa

Os sistemas Resulth da ATS acompanham o crescimento das atividades da sua empresa. São sistemas integrados, de rápida implementação, fácil utilização e excelente custo-benefício.

Solicite um orçamento

Encontre a solução ideal para o seu negócio

Entenda qual o melhor sistema de gestão para sua empresa

Agilize e simplifique as operações da sua empresa com as soluções ATS. Elas vão ajudar você nos principais desafios do dia a dia da sua gestão.

Solicite um orçamento
BLOG

O que são meios de pagamento e quais a sua empresa precisa ter

A gestão dos recebimentos tem um papel fundamental em uma empresa. A tecnologia proporciona uma ampla diversidade de meios de pagamento aos clientes, o que […]
O que são meios de pagamento e quais a sua empresa precisa ter

A gestão dos recebimentos tem um papel fundamental em uma empresa. A tecnologia proporciona uma ampla diversidade de meios de pagamento aos clientes, o que torna mais complexa a atividade de gerir os recebíveis no negócio. Antes de colocar uma máquina de cartões no seu caixa, no entanto, é necessário conhecer o mercado por trás desses terminais.

Ao concluir a leitura do artigo, você entenderá melhor o que são adquirentes, subadquirentes e gateways, como escolher a melhor opção para o seu negócio e quais os requisitos que sua loja precisa ter antes de implementar novas tecnologias de pagamento.

Compras no varejo impulsionam meios de pagamentos

Uma máquina de cartões oferece ao cliente a alternativa de pagar as compras nas modalidades crédito ou débito. Diferente do papel-moeda, trata-se de um meio de pagamento fornecido por empresas que utilizam sua tecnologia para possibilitar as transações monetárias entre os clientes e vendedores.

Os pagamentos com cartões apresentaram uma expansão vertiginosa nos últimos anos. Dados da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) mostram que, em 2018, o valor transacionado no crédito chegou a quase R$ 1 trilhão; no débito, foram R$ 578 bilhões em pagamentos.

Segundo dados do Sebrae, a presença de máquina de cartões nos pequenos negócios aumentou de 39% em 2016, para 46% em 2018, representando um em cada dois estabelecimentos. Comparando o mesmo período, empreendedores que relataram que o faturamento aumentou, em média, 66% após a adoção dos terminais de processamento dos pagamentos.

Portanto, hoje, qualquer negócio do ramo varejista precisa oferecer essas alternativas de pagamentos sob o risco de perder clientes e vendas. Mas como escolher entre dezenas de fornecedores e terminologias que podem confundir e levar o lojista a pagar mais taxas do que o necessário?

Na hora de escolher o meio de pagamento adequado para sua empresa, é preciso estudar bem suas vantagens e desvantagens de acordo com aspectos do negócio como nicho, se a operação é online ou offline e a tecnologia que mais auxiliará na gestão financeira, na facilitação do checkout, na experiência do cliente e do próprio gestor, além de reduzir os custos.

Entenda, a seguir, como diferenciar as tecnologias e meios de pagamentos.

Quais as diferenças entre Adquirente, Subadquirente e Gateway?

Adquirentes

As adquirentes, também chamadas de operadoras de cartão, ou credenciadoras, comunicam-se com as bandeiras das máquinas de cartão e com os bancos emissores para fazer a transferência do dinheiro do cliente para o lojista.

Após a compra, há um período de espera para que a adquirente verifique se existe limite ou saldo na conta do cliente e autorize a transação. Nos pagamentos a crédito, o lojista só recebe os valores entre 15 e 30 dias a partir da compra; já no débito, os valores entram na conta da empresa no dia seguinte.

Nas lojas físicas, tudo isso ocorre com extrema rapidez, ali mesmo ao utilizar a maquininha. A Cielo, a Redecard e a Vero são exemplos de adquirentes.

Subadquirentes

As subadquirentes, ou, facilitadoras, são um elo entre o lojista e a adquirente, que, por sua vez, fica responsável pela liberação do pagamento ao lojista. Uma de suas grandes vantagens é a pouca burocracia, além de também oferecer serviços contra fraude.

Sua implementação é menos complexa e mais barata, o que torna esse tipo de serviço bastante procurado por microempresas e pequenos lojistas de varejo.

Por outro lado, as taxas cobradas costumam ser mais altas, girando em torno de 5% e 7% de cada compra. Nas compras parceladas, há a incidência de taxas administrativas, o que também diminui a competitividade do negócio.

Como exemplo de subadquirentes, temos o PagSeguro, MercadoPago e o Paypal.

Gateway

Gateways de pagamento são ferramentas que unem, em apenas uma interface, todas as formas de pagamento e adquirentes. É um serviço bastante utilizado no e-commerce e equivale às máquinas de cartão usadas no varejo físico.

Por meio dele, o cliente realiza o checkout na loja e efetua o pagamento com rapidez e segurança. Já o lojista conta com um sistema que unifica todas as compras em todas as bandeiras em uma só tela.

Sua implementação é simples e só precisa ser feita uma vez. Algumas soluções disponíveis no mercado vêm com proteção antifraude e fornecem relatórios de pagamentos que incluem gráficos e todas as informações das transações.

Mas enfim, como esses conceitos podem ser úteis para sua loja? No varejo em geral, as maquininhas são fornecidas pelas adquirentes e, para funcionarem corretamente, elas precisam se comunicar com o software de gestão do negócio.

O programa processa todos os pagamentos e ajuda o gestor a saber o volume de recebíveis todos os dias, facilitando a gestão financeira e fornecendo uma visão realista do fluxo de caixa. Portanto, é fundamental que a adoção de diferentes meios de pagamentos seja apenas uma etapa em um contexto de modernização do negócio, que deve incluir um sistema de gestão integrado.

Tipos de Máquinas de cartão

As máquinas de cartão podem ter diferentes tipos de tecnologia de leitura, sendo as duas mais comuns a POS (Point of Sale – ponto de venda) e a TEF (Transferência Eletrônica de Fundos).  A POS é aquela máquina portátil, que até mesmo quem faz delivery pode usá-la, pois é sem fio e depende da conexão de uma linha discada ou rede de celular. Não precisa de processos de automação.

Uma de suas desvantagens, porém, é a dificuldade em contar o orçamento do dia, pois é preciso juntar todas os comprovantes e somá-los para se ter ideia dos ganhos. Outra, é que funciona ligada somente a uma rede, que geralmente não aceita todos os cartões. Então é preciso, às vezes, adquirir mais de uma.

Já com a TEF, a mobilidade não existe. Ela fica anexada ao caixa da loja, perto do computador, como é comum vermos em um supermercado. Utiliza sistema automatizado e o usuário não precisa ficar contando todas as notinhas, pois tudo já vai diretamente para o sistema e é contabilizado lá.

Por que usar uma máquina de cartão?

Escolher o melhor fornecedor depende das condições do estabelecimento, da demanda e do tempo para a contabilidade, assim como também o oferecimento de mais praticidade aos clientes. Seja qual for o tipo de máquina que você selecionar, seu estabelecimento se tornará mais competitivo. Entenda a seguir o porquê:

A inadimplência é reduzida

Ao pagar com o cartão, o cliente se torna devedor do banco, não da loja. O risco de calote e o processo de cobrança recaem sobre a instituição financeira, enquanto o lojista recebe o dinheiro com segurança. Com isso, a receita da loja se torna mais previsível e o empreendedor pode dedicar esforços a melhorar os serviços e atrair mais clientes.

Os clientes não precisam andar com dinheiro — nem você

Circular com dinheiro vivo é um risco tanto para o cliente quanto para o lojista. Há o perigo de furtos, assaltos, extravios ou até de erros humanos na hora de contabilizar o troco. O uso de cartões também facilita a gestão financeira dos próprios clientes, além de oferecer a praticidade de não precisar andar com dinheiro em espécie.

O fato de os clientes não saírem de casa com o dinheiro contado beneficia o varejista. Afinal, torna-se mais fácil vender outros produtos além daquele que o cliente estava procurando. Por fim, a gestão financeira também fica mais fácil, uma vez que o dinheiro não circula na empresa, mas na conta bancária.

Sua empresa se torna mais moderna e competitiva

Rejeitar pagamentos eletrônicos e aceitar apenas dinheiro em espécie é uma opção para o negócio. Muitos estabelecimentos se sustentam dessa maneira e economizam ao não pagarem taxas de aluguel dos terminais e operação das transações.

Mas organizações que buscam crescimento sustentável e solidez nos negócios inserem as tecnologias nos processos de gestão. A automatização dos pagamentos é apenas uma etapa na integração eletrônica de todas as áreas do negócio, o que só é possível com um software ERP.

O ecossistema de pagamentos hoje é quase totalmente digital. A moeda que transita nas organizações, nos bancos e na carteira dos clientes é eletrônica, o que confere agilidade, segurança e confiabilidade nos pagamentos. Usar uma máquina de cartão é um requisito básico para qualquer negócio que queira ampliar suas vendas. Sem aceitar diversos meios de pagamentos, sua empresa está destinada à estagnação.

Gostou do conteúdo? Então assine nossa newsletter e receba mais atualizações.

Equipe ATS
Equipe ATS
COMUNIDADE ATS

Junte-se a mais de 25 mil profissionais de PMEs

Receba dicas e materiais exclusivos para melhorar a gestão de PMEs. Faça parte da comunidade.